Pular para o conteúdo principal
logotipo TMA Brasil
logotipo TMA Brasil
lupa

Com plano aprovado, Viracopos vai ser relicitado

viracopos

Aprovação do plano de recuperação judicial ocorreu após dois dias de turbulentas negociações entre Viracopos e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) — Foto: J.F.Diorio/Estadão 
Após quase dois anos, a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos (ABV) conseguiu enfim aprovar, na sexta-feira (14), seu plano de recuperação judicial. Com isso, abriu caminho para a relicitação do aeroporto pelo governo federal. 
A aprovação ocorreu após dois dias de turbulentas negociações entre Viracopos e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), principal credor no processo de recuperação. Ao todo, foram cerca de 15 horas de assembleia até a votação final. Em diversos momentos, segundo pessoas que acompanharam as conversas, houve temor concreto de que o plano seria reprovado e que seria declarada a falência da concessionária. Ao fim, porém, 99,9% dos credores aprovaram a proposta. 
A concessionária foi assessorada pela Álvarez & Marsal e pelo escritório Galdino, Coelho, Mendes, Carneiro Advogados. 
O plano aprovado prevê que a concessionária, controlada por Triunfo e UTC, devolva seu contrato à União, que fará um novo leilão. Até lá, os atuais acionistas seguem responsáveis pela operação. 
Uma das principais discordâncias, que foi alvo de negociação até o último momento, era o que fazer com as inúmeras ações judiciais em aberto, nas quais a ABV questiona valores de multas aplicadas pela Anac e pede reequilíbrios econômicos-financeiros que podem chegar a R$ 6 bilhões. 
A solução encontrada foi levar todas as disputas judiciais para um tribunal arbitral, que dará a palavra final sobre os valores a serem pagos por cada parte. 
A aprovação do plano não significa o fim da novela. Até a transferência do aeroporto a um novo controlador, o pagamento de todas as dívidas e o resultado das arbitragens, a expectativa é de, no mínimo, dois anos. 
No entanto, para uma pessoa que acompanhou todo o processo, a percepção é que o pior já passou. Após anos de embates duros entre concessionária, governo e Anac, a expectativa é que o acordo abra caminho para uma nova etapa, mais amigável. 
Os próximos passos, a partir de agora, preveem a homologação do plano pela Justiça. A partir daí, a concessionária terá 15 dias para oficializar o pedido de devolução ao governo. 
Os credores menores, que incluem funcionários e fornecedores, serão os primeiros a ser pagos, com recursos que já estão reservados. Os pagamentos começam a ser feitos 30 dias após a homologação do plano. 
Depois disso, restarão as dívidas bilionárias com Anac e bancos, principalmente o BNDES. Esses créditos serão pagos por meio da indenização que será entregue a Viracopos em troca da devolução do aeroporto. Trata-se de um ressarcimento pelos investimentos feitos e não amortizados. 
A indenização será calculada pela Anac - embora haja a previsão de que o valor seja contestado e tenha que ser definido na arbitragem. A agência afirma que ainda não fez o cálculo, mas pessoas próximas à concessionária trabalham com um valor mínimo de R$ 3 bilhões. 
A Anac será a primeira a receber. O valor, que será descontado da indenização, é calculado em aproximadamente R$ 1 bilhão - que inclui parcelas vencidas da outorga (aproximadamente R$ 600 milhões) e multas aplicadas ao longo dos últimos anos (estimadas em R$ 400 milhões, embora o valor também seja alvo de disputa judicial e ainda deva ser levado à arbitragem). 
Em seguida, quem receberá são os bancos, cujos créditos somam R$ 2,5 bilhões - desse montante, o BNDES responde por R$ 2 bilhões. 
Caso o valor da indenização seja insuficiente para quitar todas as dívidas financeiras, o saldo remanescente será transferido ao novo concessionário. 
Viracopos ainda poderá ter de pagar essa dívida remanescente, caso vença disputas na arbitragem. Neste caso, o valor a ser recebido pela concessionária poderá sofrer desconto equivalente ao montante transferido ao novo concessionário. 

 

17/02/2020
 

Autor(a)
Por Taís Hirata — De São Paulo